quarta-feira, 4 de março de 2009

Com a corda na garganta


A JSD continua a surpreender com a qualidade e originalidade das suas tomadas de posição em prol de todos os prejudicados com a acção do desgoverno socialista.

Desta vez, a Juventude Social-Democrata esteve, esta quarta-feira, literalmente «com a corda na garganta». O protesto com este nome decorreu à frente da Assembleia da República e os jovens não eram mais de 15, mas eram os suficientes para incomodar um funcionário que os incentivou a saírem do local.

Esta acção pretende simbolizar a situação em que os estudantes do Ensino Superior se encontram face à crise económica e social que o país enfrenta, que está a provocar constrangimentos gravíssimos às famílias e que, em consequência, está a colocar os estudantes numa situação dramática, que leva ao afastamento e ao abandono escolar», disse Pedro Rodrigues, líder da JSD, ao TVI24.

2 comentários:

Anónimo disse...

Efectivamente, desta vez conseguiram ser originais e fazer algo em prol de um objectivo fundamental para o nosso país - a formação dos jovens, agora também ja deviam saber que ese tipo de iniciativas so tem sentido e impacto quando feito em grande número..sobretudo quando se está numa juventude partidária em que as dificuldades para os "seniores" dos partidos nos ouvirem são enormes, se for para "seniores" de outros partidos, as entraves aumentam ainda mais e então se não for algo de expressivo o nosso acto em nada resulta,a inda assim, vale pela iniciativa e criatividade.

INÊS DOMINGOS

FSG disse...

Apesar da minha solidariedade e apoio às muitas familias do nosso país que realmente se viram afectadas pela crise através do despedimento ou reduções notorias nos seus salarios devo dizer que muitas das que se desculpam com a crise, e infelizmente creio que será o caso de alguns dos que agora usam a corda na garganta, para continuarem com os seus modelos sociais que devem ser alterados.

É importante que as pessoas entendam que o modelo social que temos levado a cabo nos ultimos 15 anos não é viavel, e temos de aprender a lição de uma vez. Comer em casa mais frequentemente, beber em casa, e fumar menos ou gastar menos em tabaco, são penas coisas que realmente fazem a diferença num orçamento familiar. E se é em prol da sua formação universitaria ainda mais, pois temos de suprimir algumas coisas para apostar na nossa formação e valorização, temos de ceder também e não podemos continuar a querer o melhor de todos os mundos e manter um modelo de sociedade que não é compativel com a situação que vivemos.

A maioria dos jovens fuma algo que com saidas à noite é um gasto entre 60 e 100 euros mensais, mais as suas mesadas que são abusivas, as cervejas com os colegas na rua e não em casa de uns e de outros é algo que se tem perdido e assim fica dificil, tão dificil como parece ser dizer que Não!

Nem tanto ao mar nem tanto à terra. Temos também de mudar!